"O tempo é valiosíssimo, mas não custa nada, podemos fazer o que quisermos com ele, menos possui-lo, podemos gasta-lo, mas não podemos guarda-lo. Quando o perdemos não podemos recupera-lo, "passou e pronto.!".

07.02.12

Alguns factores influenciam nos batimentos cardíacos durante a corrida. Saiba como o clima, a desidratação e até mesmo o stresse podem afectar a medição de sua frequência cardíaca.

 



Responsável por tornar os treinos mais produtivos, o control da frequência cardíaca dita o ritmo das passadas de um corredor, que necessita de conhecimento para nivelar o seu treino, aumentando ou diminuindo sua intensidade. Conforme o nível de condicionamento aeróbio do atleta, maior é sua resistência cardíaca. Entretanto, involuntariamente, a frequência cardíaca não é totalmente constante, sofrendo variações conforme factores externos e, consequentemente, influenciando diretamente na corrida. Factores como estresse, horário do dia, desidratação, temperatura, humidade e adrenalina são uns dos responsáveis pelas alterações.

Horário do dia
Existe uma diferença considerada grande em treinos logo pela manhã, ou em outros horários do dia. Chegando muitas vezes a dez batimentos cardíacos a menos que nos outros horários. “Por causa da ação dos hormônios adrenalina e cortisol e pelo metabolismo basal, a corrida pela manhã tem a característica de ter uma menor frequência cardíaca, já que o corpo ainda está agindo como se estivesse em repouso”, afirma Ricardo Arap, director técnico da Race. Devido às alterações de humor e do estresse do dia-a-dia, contudo, é bastante individual o horário em que a frequência cardíaca é mais elevada, não havendo, assim, uma medição específica.

A influência da hidratação e da temperatura
A hidratação corporal e a temperatura do local de treino, seja ele o ginásio, parque ou ruas, também devem ser levados a sério durante os treinos, já que também exercem influência nos batimentos do coração. No caso da hidratação, por exemplo, é bastante comum a variação. “Quando o atleta está desidratado, o fluxo sanguíneo baixa e é bombeado mais vezes, para dar conta de todas as partes do corpo, aumentando a frequência cardíaca”, diz Rodrigo Lobo, da Lobo Assessoria desportiva. Por causa da pressão corporal, a frequência cardíaca também aumenta em altas temperaturas, crescendo de 2 a 8 batimentos por minuto. Potencializando os seus efeitos, a humidade relativamente alta também irá interferir da mesma maneira.

Treino é treino...
Ao treinar, a frequência cardíaca não será a mesma de uma prova. A adrenalina durante uma competição aumentará muito mais os batimentos cardíacos, que deverão ser controlados durante o trajecto. “Tem gente que sem correr e só de ficar na partida acaba extrapolando o seu limite de frequência cardíaca. Esse aumento é normal, mas deve ser controlado e o corredor deve tentar deixá-lo o mais constante possível”, afirma Lobo.
Para saber lidar melhor com as frequências cardíacas, o uso de frequencimetro acaba sendo um dos melhores meios de calcular o batimento certo. Além disso, a presença de um profissional é também recomendada. “Além de usar meios para controlar os batimentos cardíacos, o atleta deve procurar um profissional do ramo, que irá fazer uma plano adequando a frequência, usando a favor do corredor, e não de uma forma que possa o prejudicar”, finaliza Arap.

tags:
publicado por Zé às 13:57

Um espaço onde pode informar-se sobre aspectos relacionados com a corrida, alimentação, exercícios, nutrição, treinos, lesões etc,etc. Email:jmsesteves@mail.pt
Visitas/Tradutor
English French German Spain Italian