"O tempo é valiosíssimo, mas não custa nada, podemos fazer o que quisermos com ele, menos possui-lo, podemos gasta-lo, mas não podemos guarda-lo. Quando o perdemos não podemos recupera-lo, "passou e pronto.!".

29.03.11

Descubra o que causa esse incômodo, comum em corredores, e saiba como preveni-lo e tratá-lo sem prejudicar os seus treinos.

 

 

Finalmente chegou aquela data em que você esperava ansiosamente: o dia da prova. E depois de ter ocorrido tudo do jeito que imaginava, aparece aquele incômodo nas pernas, as dores pós-prova. Por diversos motivos, os corredores podem sentir um forte desgaste nos membros inferiores depois de correrem. Elas podem significar falta de preparação física, de costume, excesso de treino ou até falta dele. Esse cansaço também pode aparecer quando o atleta quer melhorar a sua performance e aumenta sua carga de treinos.  "As dores mais comuns são as musculares. Entre elas estão as dores causadas pelas cãibras, fadiga muscular e as dores musculares tardias, que podem surgir entre 24 e 48 horas pós-actividade física", explica o fisioterapeuta Dr. Evaldo D. Bosio Filho. As dores tardias podem aparecer por causa de micro-lesões nas fibras musculares, que causam pequenos sangramentos no tecido. "As micro-lesões normalmente aparecem por causa de movimentos bruscos e repetitivos de contração muscular", completa o fisioterapeuta.

Como evitá-las


Quando se sente confiante no ritmo, o corredor pode extrapolar um pouco seus limites e correr o risco de que surja essa sensação de dores nas pernas. Para que isso não se torne um problema sério, existem alguns cuidados preventivos. "É necessário um fortalecimento muscular constante, no qual as fases de evolução das séries se encaixem a evolução da programação de corridas do atleta", explica o treinador , que completa, "O respeito ao organismo durante os treinos e uma evolução que leve em conta a genética do atleta fará com que ele controle bem a sua intensidade durante a prova, chegando ao final de uma forma mais agradável", finaliza. Um bom acompanhamento nutricional também colabora para a recuperação muscular. Além de uma boa hidratação antes, durante e depois da prova, que ajuda a repor os sais perdidos durante a transpiração. "Outra forma de prevenção é através de um programa de reequilíbrio muscular, que contará com exercícios e orientação para alongamentos e reforço da musculatura", evitar o aumento de volume e intensidade de treinos sem orientação também podem favorecer para evitar a fadiga muscular", afirma. E não se esqueça: o aquecimento é imprescindível tanto antes quanto depois dos treinos e provas.

Tratamento


Se mesmo depois de utilizar as dicas de prevenção e recuperação em relação às dores elas insistirem em incomodar, é necessária uma avaliação mais profunda. Após um diagnóstico médico, o tratamento mais indicado pode ser divido em algumas etapas. Primeiro, o uso da fisioterapia convencional, para controlar a dor e liberar os músculos, e a crioterapia (tratamento com gelo). A segunda fase é preventiva, com o uso de recursos profiláticos (meios que evitam doenças e sua propagação), trabalhos de alongamento e fortalecimento muscular. Já na última etapa, é trabalhada a recuperação pós-treinos e provas. "A fisioterapia dispõe de recursos e estratégias para recuperação muscular através de crio-imersão ou banho de imersão (onde as pernas do atleta ficam imersas em água e gelo, com temperatura de zero a sete graus, por um período de até 15 minutos) para minimizar o sangramento das micro-lesões", explica o fisioterapeuta, que completa, "Utilizar recursos de eletroestimulação para relaxamento muscular e técnicas de massagem desportiva também ajudam prover um alivio nas dores e tensões musculares nas pernas", finaliza.


Cuidado


De qualquer maneira, o atleta deve estar ciente de que manter o treino com as dores pode transformar um cansaço em uma séria lesão. "Além de perder performance, o corredor poderá agravar mais ainda seu quadro e causar uma lesão mais significativa, como um estiramento (ruptura) muscular ou uma micro-lesão, sendo necessário um período maior de afastamento da corrida para total recuperação", alerta o fisioterapeuta. Para poder treinar, mesmo sabendo que as dores nas pernas podem voltar, é necessário fazer um treino leve até se sentir melhor ou estar liberado pelo seu treinador para evoluir. "A diminuição de volume e intensidade nas primeiras sessões de treino são necessárias para a recuperação, então é preciso seguir a evolução à medida que o corpo vai se recuperando".


tags:
publicado por Zé às 10:53

Um espaço onde pode informar-se sobre aspectos relacionados com a corrida, alimentação, exercícios, nutrição, treinos, lesões etc,etc. Email:jmsesteves@mail.pt
Visitas/Tradutor
English French German Spain Italian